Páginas

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Retrato em Branco e Preto

Diz a história que quando Chico e Tom compuseram Retrato em Branco e Preto, Tom Jobim teria argumentado que ninguém falava "Retrato em Branco e Preto", mas sim, "Retrato em Preto e Branco". Com esse comentário ele arrumava um problema para Chico Buarque, afinal, a rima composta por este último era: "vou colecionar mais um SONETO outro retrato em BRANCO e PRETO". Chico não perdoou a intromissão do maestro na letra e atacou. Ao invés de colecionar SONETO, propôs com deboche uma outra coleção menos romântica: Então tá, disse Chico, fica assim a letra "vou colecionar mais um TAMANCO, outro retrato em PRETO e BRANCO". 
Felizmente para a música popular brasileira, a amizade entre os dois não acabaria por conta desse descompasso. Ao contrário,  algumas outras maravilhosas parcerias ainda viriam.
Retrato em Branco e Preto é uma canção perfeita. Letra e música dignas uma da outra. Chico e Tom no melhor de seus inquestionáveis talentos.


2 comentários:

Neto Geraldes disse...

Há outra história de embate entre Tom e Chico Buarque nesta música. Em História das Canções, Wagner Homem conta que Chico quis mudar o verso "trago o peito tão marcado" por "trago o peito carregado", pois não gostava do "tão", uma muleta para ajustar a métrica. Dessa vez foi Tom quem venceu, quando argumentou que "peito carregado", estava mais para tosse.
A letra é de 1968, quando Chico Buarque tinha 23 anos e Tom já era consagrado. O cara é gênio.
Parabéns pela interpretação

Osias Canuto disse...

E realmente o Tom tinha razão. "Peito carregado" ia soar péssimo! Acho que eu nem cantaria. kkkkk