Páginas

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Trilogia da Feiura - Segundo Poema


Feia Que Dói!

Como é possível tal criatura?!
Não estava programada
e apareceu no dia certo da noite errada.
Que nariz narigudo, que boca bocuda,
que dente dentuço, que orelha orelhuda! 

Como é possível tal criatura?!

Não estava programada
e veio bem a calhar, assim, do nada.
Que queixo queixudo, que unha pintada,
que dedo dedudo, que cara maquiada! 

Como é possível tal criatura?!
Não estava programada
e salvou-me, horrorosa, da noite macabra.
Que crachá crachasudo, que sapato pontudo,
que barriga exibida, que axila peluda! 

Como é possível tal criatura?!
Que Deus a tenha no inferno.
Que Deus lhe dê feno e capim.
Que Deus a tenha na lama e bem longe de mim.

Como é possível tal criatura?!

4 comentários:

Ramón disse...

Osias, vc é muito doido!

Fabrício disse...

Saiba que você é um indivíduo perturbado das idéias. Mas visito seu blog todos os dias. Abraços!

Márcia disse...

KKKKKKK Coitadinha da moça!!!

Lena disse...

É sempre possível essas criaturas.Muito bom!

Beijos